Menu Principal

BLOG

Carta apostólica por ocasião dos 400 anos de São Francisco de Sales

No dia 28 de dezembro de 2022, no 400º aniversário da morte de São Francisco de Sales, foi publicada a Carta Apostólica “Totus amoris est” , “Tudo pertence ao amor” .

“Nestas suas palavras podemos recolher a herança espiritual deixada por São Francisco de Sales, falecido há quatro séculos, em 28 de dezembro de 1622, em Lyon” , explica o Papa Francisco, que inicia a Carta descrevendo as circunstâncias do morte do Santo Bispo de Genebra, que chegou a Lyon para um compromisso diplomático, com pouco mais de cinqüenta anos e com problemas de saúde, “pelo puro espírito de serviço” .

Permanecendo com os Visitandinos, “na casa do jardineiro, para não causar muitos problemas” , nunca perde a oportunidade de realizar o seu ministério apaixonado – “confissões, conversas, conferências, sermões e as últimas, inevitáveis ​​cartas de espiritualidade amizade” – caracterizando até o fim por um estilo de vida “cheio de Deus”, que nasce da certeza de que Deus está no coração do homem:

“É a síntese do pensamento dele. A experiência de Deus é uma evidência do coração humano. Não é uma construção mental, mas um reconhecimento cheio de admiração e gratidão, consequente à manifestação de Deus. É no coração e através do coração que se realiza aquele sutil e intenso processo unitário em virtude do qual o homem reconhece Deus. e, junto, ela mesma, sua origem e profundidade, sua realização, no chamado ao amor”.

“Nada recuses, nem nada desejes” é outra conhecida expressão que ela deixa aos Visitandinos testemunhando, no seu último Natal, a profunda humanidade que brota da verdadeira contemplação do seu Filho encarnado: “ Na escola da encarnação, portanto, , aprendera a ler a história e a vivê-la com confiança”.

“O critério do amor” é a base para o discernimento do desejo e também para uma correta relação entre contemplação e ação: “ Eis a verdadeira pergunta que supera qualquer rigidez inútil ou egocentrismo: pergunte-se sempre, em cada escolha , em todas as circunstâncias da vida onde se encontra o maior amor. Não é por acaso que São Francisco de Sales foi chamado por São João Paulo II de “Doutor do amor divino”, não só por ter escrito um poderoso tratado sobre ele, mas sobretudo porque o testemunhou”.

Ao traçar as principais etapas da vida do Santo Doutor da Igreja – desde o seu nascimento em 21 de agosto de 1567, no castelo de Sales, perto de Thorens, por François de Nouvelles, senhor de Boisy, e por Françoise de Sionnaz – o Papa Francisco descreve as experiências que marcaram a sua vocação e o enquadramento teológico a partir das dimensões do cuidado da vida espiritual, com a oração e abertura ao Espírito Santo, e da vida eclesial. Francisco de Sales vive a grande passagem entre os séculos XVI e XVII, e “é intérprete da mudança de época e guia das almas num tempo que, de modo novo, tem sede de Deus”.

O otimismo salesiano “que deixou marcas duradouras na história da espiritualidade, por florescimentos sucessivos, como no caso de Dom Bosco dois séculos depois”, e a caridade , “que tudo faz pelos filhos”, são outros dois traços característicos de sua espiritualidade trazida à luz pelo Papa Francisco, além de sua ductilidade e capacidade de visão, que ele considera iluminadora como legado para a era atual.

A relação com Deus, que atrai suavemente a si, deixando o homem livre para consentir ou resistir, e a verdadeira devoção são, para o Santo Padre, dois aspectos cruciais “que pedem para ser compreendidos e relançados ainda hoje” . Também ligado à devoção está o tema conciliar da vocação universal à santidade: para Francisco de Sales, a devoção deve ser exercida por todos, independentemente da profissão ou condição social ou de vida, e todos são chamados no caminho da perfeição, “cada um pelo o jeito dele”.

Mas, do ponto de vista salesiano, a vida cristã não deve ser “confundida com uma fuga fácil ou um retiro íntimo, muito menos com uma obediência triste e cinzenta”, mas vivida em “êxtase”, encontrando na fonte profunda da alegria amor a Deus e abertura aos outros.

“Que o quarto centenário do seu nascimento no céu nos ajude a fazer dele uma memória devota; e por sua intercessão o Senhor derrame abundantes dons do Espírito no caminho do povo santo e fiel de Deus”. É a conclusão desta Carta Apostólica, um dom a ser meditado, em particular para as Congregações e Grupos inspirados por São Francisco de Sales.

Como lemos na Carteira de Identidade da Família Salesiana (art. n°7), Dom Bosco o escolheu como padroeiro “porque propôs, com sua obra e seus escritos, aquele humanismo cristão e aquela metodologia de caridade que correspondiam bem ao seu aspirações interiores. É um humanismo que não ignora a fragilidade do homem, mas se baseia na confiança inabalável na bondade intrínseca da pessoa, porque é amada por Deus e por Ele chamada à perfeição cristã, em todas as formas de vida. Este humanismo é um aspecto constitutivo da experiência carismática e espiritual dos Grupos fundados por Dom Bosco e foi assumido, como herança preciosa, pelos demais Grupos hoje agregados à única Família”.

Fonte: Portal das FMA

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn

Posts Relacionados

Ecos da Assembleia BAP

«Agradeço a oportunidade de participar deste  momento tão importante e especial da nossa Inspetoria. Gratidão a todas que trabalharam para que tudo acontecesse bem. A

Para você navegar neste website, usaremos cookies para melhorar e personalizar sua experiência.