Menu Principal

BLOG

A importância das histórias no cotidiano das crianças, jovens, famílias…

“Se quiser falar ao coração dos homens, há que se contar histórias.

Porque é assim, suave e docemente, que se despertam consciências”.

(Jean de La Fontaine)

Os momentos mais memoráveis da vida são bordados com as linhas invisíveis dos dias e das horas. As lembranças de uma canção de ninar ou de uma brincadeira cantada, de uma história contada por alguém da família, de uma brincadeira ao ar livre ao som dos passarinhos, de uma festa de aniversário com a presença de muitas pessoas queridas, da receita preferida feita por muitas mãos e saboreada com aqueles que amamos, dos sorrisos compartilhados com os amigos da escola…

A arte da escuta e da palavra é costurada ponto a ponto com as linhas invisíveis de cada fase da vida: as linhas do afeto. Por meio de um olhar carinhoso, de um abraço que acolhe, de uma palavra que acalenta, de um cheiro e de um sabor que aquecem e alimentam a alma, os desenhos das histórias são tecidos suavemente em nossas memórias.

O véu das reminiscências veste nossos dias de histórias que fortalecem os vínculos e os laços entre as pessoas. Crianças, jovens, familiares e educadores se unem de mãos dadas em uma grande roda invisível aos olhos, mas visível ao coração, quando contam, recontam, cantam e se encantam com as fabulosas histórias que estão pintadas nesta grande colcha de retalhos. Muitas delas estão registradas em lugares muito especiais:

  • nos álbuns de fotografias impressas ou digitais;
  • nos diários de bordo com letras, rabiscos e papéis coloridos colecionados durante as viagens em família ou com a turma da escola;
  • nas memórias guardadas nos objetos que contam fatos, vitórias e desafios superados pelos nossos familiares;
  • nos livros escritos há muito tempo, guardados nas estantes, nos armários e nas bibliotecas e também nos que ainda estão nascendo nas ideias dos escritores, das editoras e livrarias;
  • nos cadernos de receitas das avós ou dos mestres-cucas das nossas famílias que contam sobre os alimentos mais deliciosos que nos convidaram a celebrar a união e a alegria no fim de semana;
  • nas lembranças mais inusitadas que moram dentro de nós…

Por isso, pergunto para você que lê com olhos poéticos estas breves palavras: Quantas histórias moram dentro do seu coração e da sua mente? Como você está cuidando dos momentos vividos e compartilhados em família para que as histórias sejam bordadas, desenhadas e pintadas por muitas mãos, com afetos e gentilezas? Quais são os lugares memoráveis em que suas histórias estão registradas? Que tal compartilhar com alguém estas reflexões para que vocês comecem a escrever juntos uma linda história?

Todos nós somos escutadores em potencial e narradores de palavras mágicas.  Somos capazes de acolher, semear, despertar consciências e inspirar boas narrações quando abrimos o portal das nossas memórias contando sonhos vividos e partilhados. Quer escutar a voz do tempo e falar aos corações? Era uma vez… É desta vez! Será para sempre hora de contar uma história!

Meily Cassemiro SantosGestora Pedagógica – Associação Educacional Irmãs Salesianas de São PauloMestra em Ciências – USP | Idealizadora e Narradora Artística do Projeto “É desta vez!”

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn

Posts Relacionados

Robotização das Redes Sociais

Azuis, vermelhos, robôs e bolhas: Ponderações sobre dois polos de um mesmo limbo Quem nunca se flagrou perdido em devaneios fantasiosos a respeito do futuro,

Para você navegar neste website, usaremos cookies para melhorar e personalizar sua experiência.