Menu Principal

BLOG

Santa Maria Mazzarello, artesã da comunhão e da paz

Santa Maria Domingas Mazzarello, cuja solenidade a Família Salesiana celebra no dia 13 de maio, em sua missão como Cofundadora do Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora, entregou às suas filhas e a quantos com elas compartilham a missão educativa um legado precioso que pode iluminar os desafios de hoje. Entre estes, o mais urgente e desconsiderado continua sendo o da paz. O que o santo de Mornese pode dizer sobre isso?

Lendo o texto das Cartas de Santa Maria Domingas Mazzarello, a palavra paz aparece duas vezes.

A primeira vez, datada de outubro de 1876 e dirigida ao Diretor Geral Don Giovanni Cagliero, na qual agradece a carta recebida e dá notícias da casa Mornese. Ela escreve assim: “Primeiro, acho melhor dizer-lhe que até agora sempre houve paz , alegria e boa vontade de se tornar santos em todos eles e agradeço a Deus por isso. Para dizer a verdade, fico maravilhado e ao mesmo tempo confuso ao ver todas essas filhas sempre alegres e calmas. Vê-se que apesar de minha grande indignidade, nossa querida Madre Maria SS. A ajuda dos cristãos nos dá grandes graças” (L. 7,2).

Com o realismo que a caracteriza, Maria Domingas não subestima o clima que reina na comunidade, mas atribui-o à intervenção ativa de Maria Auxiliadora. Se a sua concretude a leva a reconhecer as dificuldades, a fé permite-lhe alegrar-se ao ver que «o fruto do Espírito é amor, alegria, paz, magnanimidade, amabilidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio» (Gal 5, 22 ) na comunidade que anima. Ele sabe muito bem que isso acontece precisamente por obra de Deus: na comunidade, como na família, diversas situações e personagens colocam em risco todos os dias a paz, a comunhão e a alegria, que, portanto, nunca podem ser consideradas definitivamente alcançadas.

Por outro lado, “a boa vontade de santificar-se em tudo” e as “grandes graças” que Maria Auxiliadora nos dá, nos permitem superar todos os obstáculos. Mornese e depois Nizza Monferrato não foram comunidades isentas de problemas e conflitos relacionais, mesmo de certa importância. A Crônica do Instituto das FMA recorda: “Apesar de tanto fervor de orações e trabalhos, não faltam motivos de inquietação e mal-estar na comunidade, devido às condições de vida sempre um tanto difíceis”. O descontentamento se espalhou e assim “Devemos correr para os remédios e, acima de tudo, implorá-los do céu. Portanto, a mãe, tendo ouvido do diretor que Dom Bosco, em casos semelhantes, havia feito com que toda a comunidade rezasse uma Ave Maria pela pazem casa, é determinado por este importante acréscimo às orações diárias. Nossa Senhora, como verdadeira superiora, proverá. Por seu lado, a mãe não deixa de falar da necessidade de ser humilde e submissa. Recorda-o sobretudo na conferência dominical, à qual é muito pontual, e durante a qual deseja que cada um diga livremente o que lhe parece útil para a casa e para as almas» (Cronistoria, II 143-144) .

Além da oração e da exortação, é preciso dar espaço a cada um, encorajá-los a se expressar, convidá-los a se tornarem corresponsáveis ​​na construção da comunidade. Mas havia problemas em outras comunidades também. Em 1880, o Fundador escrevia a Dom Bosco: “A Vigária, Irmã Cat. [erina] foi visitar Saint-Cyr, onde parece ter havido alguma coisinha para consertar, mas uma coisa trivial, sabe? Eu gostaria que me deixassem vir logo porque preciso de você para me ajudar com as filhas e com as escolas” (L. 48,9). De fato, a irmã Caterina Daghero, eleita vigária geral em agosto de 1880, havia sido a diretora anterior. Quando outra foi nomeada e enviada em seu lugar, ela não foi acolhida pela pequena e jovem comunidade.

Em outubro, a Madre escreve uma carta às monjas e afirma: “Vejam, às vezes nossa imaginação nos faz ver coisas negras enquanto elas são completamente brancas, estas então nos esfriam em relação aos nossos superiores e pouco a pouco vamos perdendo a confiança que temos neles. . E então o que vem disso? vivemos mal e fazemos viver mal o pobre diretor. Com um pouco de humildade está tudo bem. Dai-me depressa esta consolação, minhas queridas filhas, amai-vos com verdadeira caridade, amai a vossa Mestra, considerai-a como se fosse Nossa Senhora e tratai-a com todo o respeito (L 49,2)”  .

O segredo da paz é a humildade de reconhecer que certas situações também são fruto da sua “imaginação” ou projeção, como diria a psicologia atual. Só um discernimento corajoso e constante permite alcançar a verdade sobre si mesmo e uma visão mais objetiva. Por outro lado, para viver relações mais autênticas é necessário um clima sereno e o corajoso empenho de cada um no caminho da conversão.

A palavra paz aparece então em uma carta datada de dezembro de 1878 dirigida à Diretora da Casa de Montevidéu-Villa Colón, Ir. Angela Vallese: “Seja alegre e não tenha tantos medos em seus defeitos que não possa corrigir tudo de uma vez, mas pouco aos poucos, com boa vontade de combatê-los, nunca fazendo as pazes com eles tantas vezes quanto o Senhor os dá a conhecer; façam a sua parte para se emendarem, verão que uma hora ou outra vão ganhar tudo! Coragem, pois, grande confiança em Deus e bom espírito de autodesprezo, e vereis que tudo correrá bem” (L 17,4).

Esta é uma das recomendações mais frequentes da Madre, sempre acompanhada de um convite à alegria baseada na confiança na Graça. É o segredo das comunidades que deixaram uma marca indelével na vida de muitos jovens, tornando-se “pacificadores” com eles.

Fonte: cgfma.org

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn

Posts Relacionados

FEST 2023 tem tema e lema definidos

Os preparativos para o Festival da Juventude Salesiana 2023 já estão em andamento. Dentre as primeiras decisões a serem tomadas está a escolha do Tema

Dia Mundial de Ação de Graças 2022

A Vigária Geral do Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora, Irmã María del Rosario García Ribas , chegou com uma carta às Inspetoras e Superioras da Visitadoria

Para você navegar neste website, usaremos cookies para melhorar e personalizar sua experiência.