Menu Principal

BLOG

Em solidariedade com o Rio Grande do Sul

As intensas chuvas que se abatem sobre o estado do Rio Grande do Sul (Brasil) desde o fim de abril de 2024 estão causando inundações, destruição, vítimas e também muita solidariedade.

Desde o final de abril de 2024, chuvas fortes continuaram a atingir o estado do Rio Grande do Sul, Brasil, e outros territórios vizinhos no Uruguai e na Argentina, causando inundações de rios, destruição de casas e infraestrutura, falta de energia elétrica, falta de água potável e necessidades básicas, várias mortes e milhares de desabrigados.

O Estado gaúcho está dividido em 497 municípios e tem 11,3 milhões de habitantes, conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o que corresponde a 6% da população nacional. Sua capital, Porto Alegre, é o município mais populoso com 1,4 milhão de pessoas.

Segundo dados da Defesa Civil do Estado do Rio Grande do Sul (14 de maio), 446 municípios foram afetados pelas chuvas. Cerca de 80.000 pessoas desabrigadas tiveram que deixar suas casas por causa das inundações e de outros riscos, como desabamentos ou deslizamentos de terra. Mais de 500.000 pessoas estão desalojadas, hospedadas em casas de parentes, de conhecidos ou outros locais. Mais de 2 milhões de pessoas foram afetadas em todo o estado, e os dados não param por aí. Em todo o estado, cerca de 27.700 socorristas estão empenhados no resgate da população. Mais de 4.400 veículos, 41 aeronaves e 340 embarcações estão utilizadas (Dados).

As Filhas de Maria Auxiliadora da Inspetoria Nossa Senhora Aparecida (BAP) estão presentes em quatro cidades do Rio Grande do Sul: Porto Alegre, Rio Pardo, Uruguaiana e Bagé.

Destas, apenas a cidade de Bagé não foi atingida pelas inundações, mas a população sofre igualmente porque choveu muito nos últimos dias, há muita umidade nas casas, casas com uma só peça sem ter onde lavar ou secar as roupas. Por outro lado, a cidade de Bagé depende dos produtos que vêm de outras regiões do Rio Grande do Sul, regiões que estão imersas na água. Há escassez de alimentos nos supermercados e os preços sofreram um aumento muito significativo, pois a cidade está isolada, sem acesso à capital, devido às águas e às estradas que estão bloqueadas. As FMA da Comunidade B. Laura Vicuña de Bagé ajudaram algumas famílias dos bairros Ivo Ferronato e Malafaia, onde atuam na pastoral, com alimentos e roupas.

Em Porto Alegre, cidade na qual o nível do Guaíba chegou a 5,25m, as FMA da comunidade da Casa Santa Teresa acolheram até o momento 120 pessoas. Duas FMA da comunidade estão colaborando em abrigos que acolhem pessoas que perderam tudo ou quase tudo. Outras duas estão oferecendo seu serviço na Associação de Moradores do Morro Santa Teresa, localizado na zona sul da cidade, onde funciona uma “Cozinha Solidária” que prepara marmitas e refeições para os desabrigados. Outras atendem as pessoas que chegam à casa e, além de socorrer suas necessidades, fazem a pastoral da escuta e da oração.

Em meio ao cenário desesperador que assola Porto Alegre, uma FMA decidiu percorrer as ruas da cidade e sentiu de perto a necessidade da Pastoral da escuta, da empatia e da proximidade. Ela observou que muitas pessoas que enfrentam a dura realidade das ruas, anseiam por algo mais do que comida: elas têm fome de presença, de um olhar compassivo, de um abraço acolhedor e de gestos de carinho. Muitas dessas pessoas optam por permanecer nas ruas em vez de procurar abrigo, seja por medo, por não se sentirem confortáveis nos abrigos, ou simplesmente porque perderam tudo nas enchentes e se viram sem rumo. Esta experiência revela a necessidade urgente de oferecer não apenas ajuda material, mas também apoio emocional e humano para aqueles que enfrentam momentos tão difíceis.

Na cidade de Rio Pardo, cortada por dois rios (Rio Pardo e Rio Jacuí), as FMA conduzem uma obra social – Instituto Medianeira Casa da Criança (IMCC) – que atende em torno de 67 famílias e 80 educandos. Ali, nove bairros foram atingidos, e quem mais sofre é a população ribeirinha. Nove bairros, com mais de 15.200 pessoas, foram afetados, sendo que a população ribeirinha foi a que mais sofreu. Em torno de 558 pessoas foram acomodadas em abrigos fornecidos pelo município.

Diante de toda esta situação, a comunidade FMA de Rio Pardo optou por manter as atividades com as crianças, mesmo quando alguns educadores precisaram se ausentar para retirar e salvar os seus pertences. A comunidade avaliou a importância de manter as atividades para colaborar com a saúde mental das crianças e também para garantir a alimentação e segurança que a Instituição oferece. As Irmãs também estão mantendo contato com as famílias para acompanhar a situação. A cidade inteira ficou por dois dias e meio sem luz e sem comunicação, o que dificultou o contato. As famílias ficaram também sem água potável por vários dias. Outra ação do IMCC foi a doação de roupas, calçados e alimentos, assim como a escuta e o apoio às famílias dos educandos. São 11 famílias dos educandos do IMCC que precisam de ajuda e suas necessidades são variadas: alimentação, roupas, calçados, produtos de higiene e limpeza, inclusive móveis, reforma e reconstrução das casas. Entre os atingidos pelas inundações em Rio Pardo, estão também alguns dos educadores do IMCC e parentes dos mesmos.

A “ARCORES Brasil, Família Agostiniana Recoleta” está captando recursos para os desabrigados de Rio Pardo e vão fazer o repasse para o IMCC. Com este fundo, serão adquiridos alguns móveis essenciais para as famílias atingidas, será oferecida alimentação e, se possível, a reforma de algumas casas.

A cidade de Uruguaiana enfrenta a terceira pior cheia da história do Rio Uruguai cujo nível chegou à marca de 12,37m no dia 11 de maio de 2024. A inundação já desalojou mais de 2.300 pessoas de suas casas. Há 346 pessoas (86 famílias) desabrigadas e 1.941 (483 famílias) desalojadas. A cidade conta com 5 abrigos públicos, 4 em espaços públicos e 1 no interior da cidade, na localidade de São Marcos. As famílias que estão nos abrigos estão recebendo refeições de alimentos doados pela população e pelo município.

O Instituto Laura Vicuña, de Uruguaiana, escola mantida pelas Filhas de Maria Auxiliadora, está promovendo a campanha ILV Ajuda. Um movimento que está a cada dia mais forte e intenso e que conta com o apoio dos estudantes, dos familiares e de todos os colaboradores. As doações estão sendo recebidas diariamente na própria escola: alimentos não perecíveis, roupas, água e brinquedos.

Muitos colaboradores têm se engajado em diversas iniciativas para prestar auxílio às pessoas afetadas pela enchente. As crianças do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental 1 também realizaram sua boa ação. Na semana do Dia das Mães, escreveram cartinhas com mensagens de apoio e de fé para as mães que estão passando por dificuldades e estão desalojadas na região da grande Porto Alegre.

A esperança de uma nova vida

O depoimento de uma família que buscou abrigo na comunidade FMA da Casa Santa Teresa, em Porto Alegre:

“No dia 06 de maio de 2024, em razão das enchentes no Estado do Rio Grande do Sul e alagamentos no nosso bairro Menino Deus em Porto Alegre, eu Mariana, gestando o Miguel (9 meses) e Lucas meu esposo, começamos a buscar refúgio em algum local que fosse próximo do hospital Moinhos de Vento, o hospital onde o Miguel irá nascer. Assim, a Providência Divina quis que encontrássemos abrigo – assim como a Sagrada Família – na Casa Salesiana Santa Teresa, onde as Irmãs nos receberam com uma acolhida incrível, no dia 06 de maio, dia de São Domingos Sávio.

Ainda ao final do dia, na Missa, descobrimos ser o dia desse Santo, padroeiro das gestantes. Ao chegarmos na casa, nos deparamos com imagens de Nossa Senhora Auxiliadora, que temos com toda a certeza ser a nossa grande Mãe e intercessora, principalmente nesse momento tão difícil que passamos no Estado e às vésperas do nascimento do Miguel. Em uma semana e alguns dias que estamos aqui, já aprendemos mais sobre a Família Salesiana, celebramos com as Irmãs e os Padres que por aqui passaram, a Santa Missa, rezamos o terço e conseguimos realizar de fato uma preparação espiritual nesse tempo.

Temos certeza de que Deus quis que nosso refúgio, nossa Belém fosse aqui, junto das Irmãs e de Nosso Senhor. Hoje é dia 14 de maio, aguardamos ainda a chegada do pequeno Miguel que tem como data máxima de parto o dia 22 de maio. As expectativas do nascimento do Miguel são grandes, nossos corações tentam administrar essa nova vida que vem mesmo em meio ao caos que o Rio Grande do Sul vive nesse momento. Miguel será e já é um sinal de esperança para nós em meio a tudo isso. Deus permite o sofrimento para nossa edificação e conversão. Somos abençoados por podermos passar esse tempo difícil, seguros e rezando por todos aqueles que mais precisam de orações, auxílio e forças para passar pelas adversidades. Somos imensamente gratos a Deus, a Nossa Senhora Auxiliadora, a Dom Bosco, a Madre Mazzarello, a São Domingos Sávio, por tudo que estamos vivendo. Que esses nossos intercessores possam sempre ser luz na vida das Filhas de Maria Auxiliadora e que possam ser lar para muitas pessoas e famílias como estão sendo conosco. Somos eternamente gratos por essa acolhida”.

Maior enchente de todos os tempos

Antes das enchentes históricas de abril e maio de 2024, a maior tragédia desse tipo na capital Porto Alegre havia sido em 1941. Na época, o índice máximo alcançado pelas águas do Guaíba foi de 4,76 metros. Outro fator que dificulta a vida do povo gaúcho são as temperaturas, que vêm caindo nas últimas horas. Os termômetros chegaram a marcar 11ºC entre a madrugada e a manhã desta terça em Porto Alegre.

Cresce a solidariedade em todas as presenças da BAP

Desde que a tragédia no Rio Grande do Sul começou a tomar proporções impensáveis, todas as comunidades educativas das presenças da Inspetoria Nossa Senhora Aparecida (BAP), tanto escolas quanto obras sociais, começaram a se organizar e alargar braços e corações para ir ao encontro de quem está precisando.

São inúmeras as ações realizadas, e cada uma mais criativa do que a outra: coleta de alimentos não perecíveis, água, roupas em geral, roupas de frio, brinquedos, produtos de higiene, material de limpeza, ração para cães e gatos, colchões, roupa de cama e cobertores.

Vários caminhões com as doações já se deslocaram para o sul do Brasil. Há também uma parceria com os Correios e outras ONGs para que o material arrecadado chegue às comunidades gaúchas.

O Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora oferece apoio concreto à população e conta com a generosidade e a solidariedade de todos. É possível enviar contribuições e ofertas na forma indicada no Site do Instituto das FMA, designando no causal a Emergência enchentes no Rio Grande do Sul.

Fonte: Istituto Figlie di Maria Ausiliatrice (FMA)

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn

Posts Relacionados

Ecos da Assembleia BAP

“Eu vim dessa videira Vivo em comunidade Com muita coragem e criatividade Com muita esperança e salesianidade. Maria aqui caminha Abençoa nossa missão Mazzarello sempre

Para você navegar neste website, usaremos cookies para melhorar e personalizar sua experiência.