Menu Principal

BLOG

Doçura e humildade em São Francisco de Sales

São Francisco de Sales, padroeiro da Família Salesiana e do Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora, foi reconhecido pela Igreja como “Doutor” por Pio IX em 16 de novembro de 1877 com um “Breve” intitulado “Dives in Misericordia” no qual afirma-se que o Santo “pintou com vivas cores a virtude em outra obra intitulada ‘Filotéa’ , e tornando simples os lugares escabrosos e fazendo planos os ásperos caminhos, a todos os fiéis cristãos demostrou tão fácil a via para chegar lá”.

Ele, de fato, foi insigne educador à vida espiritual: acompanhou com sabedoria e amabilidade todos aqueles que dele se aproximavam, indicando que, para todos, é possível chegar à santidade, mas, para cada um, existe um caminho diverso. Era, para aqueles tempos, uma novidade. Os seus numerosos escritos documentam a profundidade desta intuição, que permanece básica para qualquer educador cristão. Padre Morand Wirth, Salesiano de Dom Bosco, no livro “Francisco de Sales e a educação” ilustra “o pensamento de Francisco de Sales sobre a educação e a formação no contexto cultural do Humanismo”, explicando e documentando que o Santo tinha uma ideia clara própria e também uma prática educativa que falam aos homens e às mulheres de hoje.

São Francisco conhece bem o coração humano e ajuda a se conhecer aqueles que acompanha. É este o primeiro passo, nunca esgotado, do caminho de crescimento. Escreve a Santa Francisca de Chantal: “Como um bom pai que segura a mão do filho, adaptará os seus passos aos vossos passos, ficará feliz em não ir mais rápido do que vós”. E na Filotea reitera que “O exercício de purificação da alma pode e deve terminar somente com a vida: portanto, não nos agitemos por nossas imperfeições; o que nos é pedido é combatê-las”.

Como sabemos, um dos traços característicos da espiritualidade salesiana, que Dom Bosco fez sua, foi a doçura. Ele mesmo conta nas Memórias do Oratório“Ele (o Oratório) começou a se chamar São Francisco de Sales por duas razões: 1º porque a Marquesa Barolo tinha em mente fundar uma congregação de padres com este título, e com esta intenção mandou executar a pintura deste santo que ainda pode ser admirada na entrada do mesmo local; 2º porque [por] da parte daquele nosso ministério exigindo grande calma e mansidão, nos colocamos sob a proteção deste santo, para que nos obtivesse de Deus a graça de poder imitá-lo na sua extraordinária mansidão e no ganho de almas”.

O Santo Doutor liga a doçura à humildade com uma incisiva afirmação: “A humildade nos faz crescer em perfeição diante de Deus e a doçura diante do próximo… Preste atenção, Filotea: este místico crisma composto de doçura e humildade deve encontrar-se dentro do teu coração” (Filotea III.8)

Como cultivar esta virtude tão importante nas relações e, especialmente, na educação? Ele responde assim: “Um dos métodos mais eficazes para conseguir a doçura é o de  exercitá-la consigo mesmo, nunca se indispondo consigo mesmo e contra as próprias imperfeições… Deves acreditar em mim, Filotea: as observações de um pai, se feitas com doçura e cordialidade têm muito mais eficácia para corrigir o filho do que a raiva e as explosões de cólera. A mesma coisa acontece quando o nosso coração caiu em alguma culpa: se o repreendemos com observações doces e serenas e lhe mostramos mais compaixão do que paixão, o encorajamos a corrigir-se, o arrependimento será muito mais profundo e penetrará nele mais do que um arrependimento cheio de ressentimento, ira e ameaças.” (Filotéa III, 9)

Quem quiser ser um bom educador deve, portanto, antes de tudo, tornar-se um bom educador de si mesmo. E de resto, sabe-se bem, não há guerra que não comece a partir de si mesmo e das próprias distorções.

Escrevia Etty Hillesum, poucos meses antes de morrer num campo de concentração: “É precisamente a única possibilidade que temos, Klaas, não vejo outras alternativas, cada um de nós deve recolher-se e destruir em si mesmo o que acha que deve destruir nos outros. E convençamo-nos de que cada átomo de ódio que acrescentamos ao mundo torna-o ainda mais inabitável”.

Madre Chiara Cazzuola, numa boa noite à Comunidade “Madre Ersília Canta” de Roma, da Visitadoria Maria Mãe da Igreja (RMC), refletindo sobre as palavras do Angelus do Papa de 24 de dezembro de 2023 – “Deus sempre age com amor gentil que abraça, que fecunda, que guarda, sem fazer violência, sem ferir a liberdade. Assim é o modo de agir de Deus” – recordava que “gentileza e paciência são o nosso modo de enfrentar o clima hodierno de agressividade e violência (…) Em Mornese não se ia dormir sem ter pedido desculpa por eventuais grosserias e Dom Bosco, nas pegadas de Francisco de Sales, dizia que, com a gentileza, se podem conquistar os corações… Madre Mazzarello manifestava um trato gentil com todos, tanto que, quem se aproximava dela, se perguntava a qual nobre família pertencesse.

Também nós, nesta esteira, podemos lembrar-nos de controlar o nosso modo de comportar-nos para oferecer aos outros o melhor de nós mesmos e recuperar estas atitudes típicas da nossa espiritualidade”.

Fonte: cgfma.net

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn

Posts Relacionados

Feliz Páscoa da Ressurreição!

A Páscoa de Jesus seja para nós e nossas comunidades, sinal de esperança, de alegria, paz e comunhão. Diante do momento histórico no qual está

Para você navegar neste website, usaremos cookies para melhorar e personalizar sua experiência.