Histórico da Inspetoria

Em 1875, os Salesianos realizam a sua primeira expedição missionária à América. A primeira expedição missionária das FMA só sairá da Itália em 1877 com a terceira dos Salesianos. Em 1883, chegam os primeiros SDB ao Brasil ( Niterói, RJ). Nós, Salesianas, esperamos ainda nove anos para entrar em nossa Pátria. Em 1892, começa a nossa história no Brasil, confundindo-se a história da Inspetoria Santa Catarina de Sena com a história da primeira casa, Colégio Nossa Senhora do Carmo, Guaratinguetá:

“No ano de Nosso Senhor Jesus Cristo de 1891, ocupando a Sede Pontifícia o Augusto Pontífice, Sua Santidade Leão XIII, governando o Bispado de São Paulo, Sua Excelência Reverendíssima o Senhor Dom Lino Deodato Rodrigues de Carvalho; sendo Vigário da Paróquia de Guaratinguetá o Reverendíssimo Cônego Benedito Honório Ottoni; sendo Presidente da República dos Estados Unidos do Brasil o Marechal Floriano Peixoto e Presidente do Estado de São Paulo o Doutor Bernardino de Campos, o Reverendíssimo Padre João Filippo, oriundo da cidade de Cosenza, na Itália, e residente na cidade de Guaratinguetá, há uns vinte anos, ofereceu à Congregação Salesiana um vasto e belo edifício situado sobre a pitoresca colina de São Gonçalo, próximo à cidade, com fim de ser aberta uma casa de educação para meninas”

O Reitor-Mor, o Reverendíssimo Padre Miguel Rua e a Superiora Geral, a Reverenda Madre Catarina Daghero, representados, o primeiro no Inspetor das Casas Salesianas do Uruguai e Brasil, o Reverendíssimo Padre Luiz Lasagna e a segunda, na Visitadora das Casas das Filhas de Maria Auxiliadora no Uruguai, Madre Emília Borgna aceitaram a oferta bem como a de uma casa em Lorena e outra em Pindamonhangaba para idêntico fim.

“No dia cinco de março de 1892 partiram de Montevidéu, capital da República Oriental do Uruguai, doze Irmãs Filhas de Maria Auxiliadora, com o fim de abrir as ditas três casas. Foi nomeada Superiora, representante da Visitadora, a Reverenda Madre Teresa Rinaldi.Vieram em sua companhia as Irmãs Florinda Bittencourt, Helena Hospital, Paula Zuccarino, Joanna Narizzano, Dolores Machin, Anna Couto, Dilecta Maldarin, Justina Gros, Francisca Garcia, e as noviças Matilde Bouvier e Maria Luiza Schilino. A expedição veio acompanhada pelo Reverendíssimo Padre Domingos Albanello, que tinha sido nomeado Prefeito do Colégio de São Joaquim, em Lorena, e pelo Rev.mo Padre Tomé Barale”.

Assim, vinham do Uruguai e não diretamente da Itália, as primeiras Irmãs de Maria Auxiliadora ao Brasil. Eram missionárias italianas, uruguaias e o que há de mais interessante, uma delas, Irmã Anna Couto, era brasileira (havia entrado na Congregação no Uruguai e, por motivo de saúde, fora enviada ao Brasil, para ver se “os ares nativos”poderiam melhorá-la).

As Irmãs chegaram ao Rio de Janeiro pelo navio Sud América, no dia 10 de março de 1892 e se hospedaram no Asylo Sancta Leopoldina das Irmãs de São Vicente de Paulo. Às 4 horas da tarde do dia 13 de março chegaram a Lorena; no dia 15, receberam a visita do Padre João Filippo. Somente no dia 16 chegaram a Guaratinguetá, S P, acolhidas pelo grande benfeitor, autoridades, povo.

No entanto, ao participar do Capítulo Geral dos Salesianos, em 1886, o Padre Luis Lasagna já se empenhara na criação de uma Inspetoria das FMA para o Uruguai e Brasil, separada da Inspetoria Argentina. Aconteceu neste mesmo ano, em fase experimental, a criação da Visitadoria do Uruguai e Brasil.

Como resultado de maior autonomia adquirida pelas FMA no Brasil, pelas distâncias, pela multiplicação de Obras, a 7 de fevereiro de 1908, a Visitadoria do Brasil é separada do Uruguai e se transforma na Inspetoria Santa Catarina de Sena, com sede em São Paulo, no Colégio de Santa Inês.

As décadas de 40 e 50 são marcadas pela expansão das obras das Salesianas, por todo o território nacional: “as fundações atingem Uruguaiana, extremo sul do país, na fronteira com a Argentina, e do outro lado, no extremo norte, com as primeiras Irmãs chegando a Cucuí, localidade próxima às fronteiras da Venezuela e da Colômbia, em 1967; e ainda Corumbá, próxima à Bolívia”.

Essa expansão provoca uma nova organização territorial nas Obras por meio da criação de Inspetorias, com a divisão da Inspetoria Santa Catarina de Sena, de São Paulo, BSP:

Inspetoria Imaculada Auxiliadora – Campo Grande – 1941

Inspetoria Maria Auxiliadora – Recife – 1941

Inspetoria Madre Mazzarello – Belo Horizonte – 1948

Inspetoria Laura Vicuña – Manaus – 1961 – desmembramento da Inspetoria de Recife

Inspetoria Nossa Senhora Aparecida – Porto Alegre – 1967

Inspetoria Nossa Senhora da Penha – Rio de Janeiro – 1984 – desmembramento da Inspetoria de Belo Horizonte 

Inspetoria Nossa Senhora da Paz – Cuiabá – 1993 – desmembramento da Inspetoria de Campo Grande

Inspetoria Santa Teresinha – Manaus – 2005 – desmembramento da Inspetoria Laura Vicuña de Manaus 

Após as multiplicações dando origem a novas Inspetorias, a Inspetoria Santa Catarina de Sena ficou circunscrita, como na origem, ao Estado de São Paulo: capital e interior (exceto a cidade de Lins).

Hoje, nos seus 125 anos de presença no Brasil, as Comunidades Educativas Salesianas das Filhas de Maria Auxiliadora, atuam na educação e evangelização, no Estado de São Paulo, e, também, em parceria com Organismos como: CRB Regional, ANEC, CNBB, CEBI, CESEP, Movimentos Populares, Conselhos e Secretarias Municipais da Educação e da Assistência Social e com os diversos grupos da Família Salesiana.